Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Os Heterónimos da Peçonha

Os Heterónimos da Peçonha

06
Fev22

Das realidades da precariedade

rltinha

Foram oito episódios de podcast, mais de oito horas a ouvir um longo trabalho jornalístico do Fumaça:

SEGURANÇA PRIVADA – EXÉRCITO DE PRECÁRIOS
“Exército de Precários” é o resultado de uma investigação de dois anos no interior da segurança privada em Portugal. Nesta série de oito episódios revelamos um setor de precariedade extrema e violência sistémica, largamente financiado pelo Estado.

Os males do neoliberalismo são plúrimos, muitas vezes subtis, mas nem por isso menos destrutivos. E este conjunto de episódios põe a nu muitos desses males e, acima de tudo, a normalização pela via da banalização de linguagem eufemística, destinada a destituir o factor trabalho do seu valor, e a normalizar a prática do lucro assente na violação dos direitos dos trabalhadores como corolário da evidência prática do admirável mundo novo dos cortes nas folhas de cálculo, isentos de preocupações humanas.

A dada altura são revelados os números dos «ganhos» do Estado com a contratação a privados da prestação de «serviços» (trabalho prestado por pessoas com vínculo de trabalho subordinado por conta de privados e não do Estado, mas suprindo necessidades permanentes do Estado). Na folha de cálculo os valores são vastos.

O que não é mencionado depois é a profunda miséria humana em que assentam esses «ganhos».

Lucra o Estado com:

- a precarização dos vínculos laborais dos trabalhadores;

- a violação de direitos laborais dos trabalhadores tornada possível pela precariedade, que os coloca em posições negociais ainda mais frágeis, quer pela fragilidade do vínculo, quer pela baixa remuneração;

- o sofrimento das famílias desses trabalhadores, pois que as condições de trabalho afectam profundamente a saúde física e mental dos trabalhadores, e a baixa remuneração afecta praticamente todos os aspectos da vida dos respectivos agregados familiares;

- a competição entre privados pelo primeiro lugar nos concursos públicos (erigida nos baixos preços, os quais são possíveis em razão dos pontos anteriores).

Ou seja, o Estado, primeiro responsável pelo bem estar dos seus cidadãos, lucra com a degradação dos trabalhadores que suprem as necessidades permanentes do Estado. «Lucra» com o mal que é feito, com o seu pleno conhecimento (cf. estes 8 episódios, que são públicos e de livre acesso), a um grupo de cidadãos mais vulneráveis do que aquele com o qual o Estado contrata a «prestação de serviços» para supressão de necessidades de mão de obra permanentes do sector público.

Aos profissionais forenses deve pesar a consciência quando entram num tribunal, pois parte de quem lá trabalha todos os dias integra este exército de precários. Gente que é explorada em nome do lucro privado feito em contratação com o Estado.

Aos encantados com as propostas de enriquecimento desta onda libertária designada «Iniciativa Liberal», eis o que defendem: o profundo mal dos muitos para benefício de uns poucos, a «riqueza» que assenta na famosa questão:

«E eu pergunto aos economistas-políticos, aos moralistas, se já calcularam o número de indivíduos que é forçoso condenar à miséria, ao trabalho desproporcionado, à desmoralização, à infâmia, à ignorância crapulosa, à desgraça invencível, à penúria absoluta, para produzir um rico.» Almeida Garrett

E é pelo inalienável direito do rico a tributar menos que se batem estes bravos.

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub